Reflexões pedalantes. De ciclovia e asfalto

Hoje tinha um compromisso e decidi que iria pedalando, para ser mais senhora de meu tempo – e porque gosto. rs. Tanto em meu trajeto de ida, quanto de volta, fiz alguns trechos por ciclovia, outros pelo asfalto. E senti medo. E pensei.

E pensava que… tenho medo de pedalar no asfalto. Mas também tenho medo de pedalar na ciclovia. Então… a questão não são os motoristas. A questão me parece ser… Nossa dificuldade de conviver. Não sabemos fazer isso. E… a violência de Salvador. Nosso trânsito é violento. Nosso asfalto ondulado e esburacado é violento. Nossas ciclovias estreitas, esburacadas, escuras, trepidantes são violentas. Nossos ônibus são violentos com todos – seus próprios motoristas, os passageiros, quase todo mundo ao redor… E… em um contexto violento, como aprenderemos a conviver? Como teremos ternura, respeito, paciência, reconhecimento…?

Salvador é uma cidade que, por vezes, parece gostar de maltratar.

Mudanças

A partir de hoje, não faço mais parte da equipe da SECTI. Foi uma aventura para a qual eu, de início, não sabia se estaria pronta. De fato, não estava. Acho que nunca chegamos prontos nos lugares. A vivência e a experiência é que nos ajudam a fortalecer, despertar, trabalhar as habilidades que são requeridas de nós, nas jornadas em que nos metemos por esta vida afora.

E, por isso, sou grata. Sou agora uma pessoa com mais XP! =] Tive oportunidades excelentes durantes estes dois anos – eventos únicos, pessoas dentro e fora da SECTI, iniciativas pioneiras em nosso estado… Ampliei meus horizontes enquanto pessoa e enquanto profissional, eduquei-me um bocado politicamente – no sentido mais amplo da palavra, de luta. Foram dois anos muito ricos, e hoje estou mais próxima de ser a pessoa que busco ser, nesse mundo – e a SECTI faz parte disso.

Mas sou grata também à transitoriedade da vida, que me chacoalha vez ou outra, e me dá a difícil bênção de não me acomodar por tempo demais. É hora de juntar todos os crescimentos e aprendizados, as consciências que elaborei, e descobrir como posso contribuir ainda mais para criar mundos diferentes… E que venham as próximas aventuras! /o/

Reflexões sobre bikes e convivência – no asfalto e fora dele

Eu vejo um vídeo de um motorista de ônibus agredindo a um ciclista, depois de os dois se desentenderem no trânsito. O motorista, com o que parece ser uma barra de ferro, bate na bicicleta, principalmente. Várias vezes. Então ele se afasta, e o ciclista pega e decide que vai entrar no ônibus com a bicicleta (para acompanhar o motorista até a garagem e prestar queixa? para garantir que não deixará escapar a informação de quem fez aquilo com ele, caso o veículo vá embora?). Cobrador e motorista usem-se para expulsá-lo do ônibus. Novamente, de forma agressiva.

Nesse momento outras pessoas da rua (além da que filma) começam a ir pra cima, para intervir e evitar que a situação se agrave. Obviamente todos os ânimos estão exaltados.

O trânsito fica bagunçado, as pessoas ficam bagunçadas.

Eu pedalo pelas ruas de Salvador com alguma frequência. Já pedalei um pouco por outras cidades – Porto Alegre, Criciúma e algums próximas, Pelotas, subindo o litoral norte aqui na Bahia, Sófia, Barcelona. É impossível dizer que nunca vi atitudes claramente agressivas de motoristas contra ciclistas. Contra mim.

Mas também é impossível dizer que nunca vi atitudes agressivas e irresponsáveis de ciclistas – muitas vezes, compartilhadas em vídeos como se fossem sinônimo de liberdade e.. não sei o que mais – furar sinal com pessoas atravessando na faixa, passar de forma irresponsável em espaços muito estreitos entre carros, passar em alta em lugares de saída de carros. Ser desrespeitosos com pedestres que estão na ciclovia (qualquer semelhança com situações paralelas não é mera coincidência).

E também já vi muitos motoristas sendo gentis e atenciosos comigo. Já fui cumprimentada por cobrador de ônibus que sempre passa quando estou indo pro trabalho de bike. Já fui “escoltada” em cruzamentos mais perigosos. Tive a sorte de, nas duas vezes em que caí por conta de motoristas desatentos, eles pararam para ver como eu estava e prestar socorro.

Tive o azar de já levar fino de ônibus. MUITO fino. Tive a tristeza de ser cortada por carrão me xingando. Passei raiva com pedestre me zoando por eu passar apitando em ciclovia. Passei sustos absurdos por ciclistas virem na contramão e não saírem, mesmo me vendo. Ou por, pior – jogarem a bike em cima de mim, mesmo sem necessidade.

O trânsito – na ciclovia ou no asfalto – é lugar de convivência. E a boa convivência – pasmem – é resultado de um conjunto de fatores. Respeito. Cuidado. Compreensão. Atenção. Responsabilidade. Acolhimento. Reconhecimento.

Não acredito que motoristas são especialmente seres piores do que ciclistas. Porque continuam sendo pessoas. E porque, como disse, vejo muito ciclista fazendo muita coisa bem ruim. Acredito, por outro lado, que motoristas têm aprendido ao longo de décadas que o asfalto é lugar deles. E que, em uma sociedade que NÃO ensina a conviver e NÃO ensina a compartilhar espaços… Todos nós não sabemos conviver, nem compartilhar espaços – é só ver como muito ciclista age com pedestres ou outros carros, quando está em situação de vantagem, para vermos que todos padecemos dessa habilidade de deixar o que consideramos ser direito apenas nosso nos subir à cabeça.

Apesar de entender que as bikes são MUITO mais frágeis do que quase todos os outros elementos do trânsito – ou talvez por isso mesmo -, NÃO acredito que nos tornarmos mais agressivos, ou criarmos uma visão de que motoristas são iminentemente nossos inimigos, irá nos ajudar em algo.

Mais uma vez, e novamente, desconheço a habilidade do aumento da segregação para construir pontes.

Vou continuar achando que a saída não é ver motoristas como inimigos. Acho que estamos deixando de ver elementos importantes dessa “disputa”, se enxergamos as coisas desse modo…

Sobre relacionamentos, sofrimentos, ciúmes e [não] monogamia…

Esta é uma reflexão bem crua que saiu de uma poli discussão de mulheres no facebook acerca da possibilidade de escolha pela não monogamia para lidar com a vontade de não exclusividade, e sobre o entendimento de que o ciúmes seria um dos grandes vilões da não monogamia. Em um resumo superficial. Senti vontade de “salvá-la pra posteridade”, então, aqui fica. Ou vai.

Relacionamentos podem doer no formato que forem… Não monogamia não significa não machucar e não sofrer, assim como monogamia também não significa. Somos humanos, em uma jornada sem fim de aprendizado, e relacionar-se é algo que com cada pessoa e em cada fase de nossas vidas será um aprendizado à parte.

Acho que se você mesma não se vê apenas com uma pessoa pela vida toda, pode ser que a não monogamia seja um caminho, ou pode ser que você possa desconstruir a ideia romântica de estar com uma pessoa pelo resto da vida, por exemplo. 😛

O ciúmes existe também em relações monogâmicas, e pessoas em relações monogâmicas estáveis, que se amam e sabem que querem estar apenas uma com a outra, passam por isso. Entender como lidar com ele não é algo que apenas pessoas não monogâmicas enfrentam… Minha percepção atual é de que não necessariamente deixarei de sentir ciúmes – a questão das relações como posse, com exclusividade, especialmente para mulheres, como muitas vezes dito, é algo imposto e reproduzido em variados discursos, em variadas culturas e sociedades. É difícil um indivíduo em uma vida finita conseguir vencer isso sozinho!

Acho que nesse sentido grupos de conversa, redes de apoio, exemplos de outras experiências são importantíssimos… Porque… estamos razoavelmente acostumados a pensar que “vale a pena lutar” pelas relações monogâmicas em que estamos, mas a cada sofrimento em uma relação não monogâmica, o comum é dizerem que “é claro que isso não daria certo”, “onde já se viu” etc etc etc. Então… apesar de os dois grupos de formatos darem trabalho, há muito mais pressão quando o fracasso é na não monogamia… O que torna os fardos muito mais pesados, especialmente quando sentimos ciúmes ou coisas assim…

Reflexões que não findam aqui. Mas que… já carregam algo válido, assim.

Seis meses de parkour

E as coisas continuam difíceis. Algumas talvez mais difíceis do que antes.

Não encontrei ainda ritmo, nem caminhos eficientes de lidar com medos e inseguranças, com o ego. Muito mais do que gostaria me sinto cansada e incapaz e fraca. Continuo me perguntando se faz sentido eu continuar tentando isso, quando tudo parece tão difícil, quando tantos movimentos que “todos” consideram fáceis são pra mim obstáculos que travam meu peito de medo.

Eu nem vim aqui pra falar do parkour, ia falar sobre ritmo, sobre encontrar o modo do corpo funcionar que me permite continuar treinando (ou pedalando, ou o que for) sem que eu precise parar, sem que eu precise me distanciar da prática. E eu ia falar que fico me questionando, e pensando que eu não quero me sentir uma iniciante pra sempre em tudo, e uma parte minha pensa – “Então, tá. No que você quer ser boa?” Porque, em parte, é uma questão de escolher a que você vai se dedicar… É inevitável melhorar, se você escolher algo e praticar consciente, persistente e continuamente. E se você olhar para a sua trajetória para entender a melhora – essa é uma das partes mais difíceis pra mim. Em quase tudo e, no parkour, ainda mais.

Então, eu não ia falar diretamente do parkour, mesmo que muitos dos pensamentos que eu queria escrever aqui surjam dos meus questionamentos em relação ao parkour. Mas daí o meu último post era sobre eu falando de como, após dois meses, tudo era ainda muito novo. E eu olhei um esquemazinho que fiz na época, uns rabiscos tentando ilustrar pra mim como é uma precisão, e vi que na época eu entendia errado o movimento, e consegui ver isso porque uns dois ou três meses depois daquele post eu tava ainda treinando precisões e de repente o corpo fez a coisa certa, e consegui, mais do que entender, sentir que estava certo. Ou mais certo do que até então. E aí pensar em tudo isso me puxou de volta pra questão do parkour, mas de um jeito assim, aleatório, trôpego, tergiversante. Acho que isso é fruto de eu precisar pensar, e precisar escrever. Seja como for, reconheço que foi legal olhar pro desenho e ver que aprendi algo, de fato, nesses 6 meses. De um jeito que me parece muito mais lento do que a maioria das pessoas que chegam nessa prática, mas aprendendo. O pior seria estar parada no mesmo lugar…

Precisões: agora ligeiramente mais precisas

Precisões: agora ligeiramente mais precisas

E.. enfim. Agora perdi o fio da meada. Mas ao menos termino o texto com uma sensação de que, se a gente não para, eventualmente muda de lugar.

90% são só 50%. E – Hello, world!

Sábado de manhã (07 de junho) rolou a “pré-banca”. Vai assim entre áspas porque foi bem informal, e como não sei como costuma ser, me dá a sensação de que não foi uma pré-banca lá muito convencional. Mas foi o que o eu precisava, no momento, e serviu para eu apresentar a Eduardo Jorge a estrutura da apresentação que quero fazer, discutindo os conteúdos que quero trazer em cada etapa, recebendo feedbacks para cada parte. Também foi o momento de ele ver os protótipos resultantes do trabalho, dos quais ele gostou. Essas duas coisas (discutir a apresentação e ele gostar dos protótipos), aliadas ao fato de que, mais cedo, havia enviado uma versão final da monografia para ele, João e Alexandre Lenz, professor convidado para a banca, me deixaram muito tranquila, com a sensação de que… acabou. Pois é. Assim. Antes mesmo da banca. O_o’

É que a banca estava marcada para o dia 13 de junho, próxima sexta, e isso me fez dar uma corrida louca na última semana (especialmente de terça até sábado), para garantir que teria um v1 de tudo até sexta passada, para cumprir o cronograma. Só que sábado, quando cheguei, exausta, à UNEB, descobri que as atividades acadêmicas só voltariam depois do São João (ou seja, dia 25), ficando portanto impossível apresentar a banca dia 13. AAAAAAAAAAaarrrrrrrrrrrrrrgh. Me dá meu alívio de terminar logo esse negócio!! D: Dá! Não dá?! Hm… Vamos pensar de novo. Eu entreguei a monografia na correria alolka, quase que vai com erros de digitação como sesção no meio. Me esforcei para incorporar as sugestões de João e Eduardo, mas havia deixado pelo menos uma coisa mais importante de fora. E tinha feito a conclusão quase nos últimos minutos da prorrogação do segundo tempo – nem reli a bichinha, pedi pra mãe fazer isso, porque eu não tinha qualquer condição de entender leituras, mais, depois de virar todas as noites desde terça.

Isso significava que as chances de haver trechos muito ruins de compreender e carentes de uma reescrita eram grandes, e que uma boa revisão, com calma, cairia bem ao trabalho. Então, por que não aproveitar esse tempinho a mais, e fechar essa etapa com mais tranquilidade? Afinal, não foi pra isso que quis adiantar o calendário, em primeiro lugar? Beleza, então. Vamos ver o que eu gostaria de fazer pra considerar essa v1 concluída de forma mais bonita, e fazer. Sem perder a sensação de que, sim, consegui – conclui esse negócio, fui capaz, e agora posso começar a me sentir livre para começar uma nova etapa, ir atrás de outros desafios… *_*

Foi bacana. =)

Enquanto não acaba por completo, alguns comentários variados:

Sobre estar terminando algo – li n’A arte cavalheiresca do arqueiro zen:

A quem deve caminhar cem milhas, recomendamos que considere noventa como sendo a metade.

Herrigel Eugen

Isso pra mim fala tanto de como costumamos errar quando tentamos prever o esforço necessário para terminar algo, como também tenta explicar como qualquer etapa final tende a ser tão ou mais trabalhosa do que todo o resto de um percurso – há detalhes, finalizações, polimentos… E todo o cansaço acumulado da jornada já percorrida. Eu senti um tanto isso. Ainda que considere que tenha, no fim das contas, doído menos do que imaginei que poderia (fico feliz com isso!).

Para conseguir o pique necessário pra enfrentar as madrugadas da semana passada, primeira, segunda, terceira, quarta noites, criei uma playlist no Grooveshark (uma plataforma para ouvir músicas com características de rede social) com clássicos da época em que virávamos noite no ACSO fazendo trabalhos de faculdade ou mexendo em coisas dos robôs. Adicionei algumas músicas que me faziam pensar no que poderia finalmente fazer quando terminasse esse processo todo, chacoalhei, coloquei tudo no repeat e segui, com cara, coragem, saudade e muito café. Como curti o que fiz com a lista de músicas, compartilho aqui:

3, 2, 1 – let’s jam: it’s the final countdown… Under pressure, eu faço tcc até mais tarde e tenho muito sono de manhã… Mas amanhã de manhã, quando a gente acordar, quero te dizer que a felicidade vai desabar sobre os homens. Porque estamos, meu bem, por um triz pro dia nascer feliz and I want to break free… Woo hoo! /o/

Foram momentos divertidos. Haha. Gosto do silêncio e da calma das madrugadas, e ver o dia nascer é algo legal – dá uma vontade doida de pegar a bike e sair pedalando pra ver o nascer do sol. Acho que farei isso em breve.

Agora o corpo acostumou um tanto, está meio difícil dormir cedo, e quero continuar “trabalhando” no TCC. Vai entender…. rsrs.

Por agora é só, pessoal. Mas acabou sem acabar, e como não quero dar uma de Oberyn Martell, vou continuar mexendo nesse negócio até fechar tudo, porque tenho até sexta pra entregar a versão final (de novo!), e dia 27, oito da manhã, essa banca sai. E não quero virar mais nenhuma noite fazendo isso, até lá…

AH! O título do post é porque… CAAaaaaaaaaaarai!!!! De volta à vida! Origami-bike-filme-amigos-praia-livros-viagem-tecido-natação-cuidar-da-casa-cortar-cabelo-trabalhar-conversar-dormir-curtir-fazer-arte sem culpa: aí vou eu!! \o/

Pra pensar/desenvolver depois – early leavers

Se há early adopters, será que há early leavers?

A quantidade de informações interessantes é “over nine thousand”

Uma vez imersa no processo bastante cíclico de tentar escrever, ler e, principalmente, sintetizar o que já foi ou é lido, uma das maiores angústias que surgem é: é muita informação no mundo.

Em um primeiro momento, isso é assustador e oprime, porque parece que não serei capaz de absorver o mínimo necessário para entender o tópico. Quando consigo vencer este medo e começo a ler, por um lado perco a sensação de que nunca serei capaz de entender aquilo, e fico feliz. Isto pode passar rapidamente, quando paro a etapa de descoberta e leitura de fontes, e volto ao processo de escrita. Então a quantidade de informação que absorvi me parece grande demais para que eu consiga concatenar e sumarizar satisfatória e logicamente. Eventualmente consigo ultrapassar essa barreira e escrevo algo – normalmente, para isso, preciso abandonar minhas expectativas acerca da qualidade e do estilo de escrita, e simplesmente me deixar dizer o que entendi. Quando termino, é novamente boa a sensação de ter conseguido vencer um tópico.

Então, novamente me vejo diante de um assunto relativamente desconhecido, e recomeça o ciclo.

Peer assessments, auto-avaliação e capacidade argumentativa.

Não lembro se já comentei diretamente aqui, mas, caso sim, vale reforçar: o curso de Gamificação, que estou fazendo através do Coursera, está tendo um ganho adicional inesperado pra mim.

A cada semana (até o momento) é necessário fazer as avaliações por pares, ou seja, dar notas para os exercícios escritos de outros colegas de curso. A avaliação consiste em ler 5 respostas de outros colegas, dar duas notas objetivas, uma por aspectos quantitativos e outra por aspectos qualitativos, e depois destacar o que você gostou e o que não gostou da resposta. As rubricas de cada nota objetiva são bem claras, então costuma ser fácil decidir que nota o estudante merece.

O grande ganho pra mim tem vindo na questão dos feedbacks abertos. Extrair de cada resposta pelo menos um aspecto positivo e um negativo, e, principalmente, justificá-los (para que não soem como algo arbitrário), tem me feito pensar muito, melhorar minha capacidade de análise e de argumentação. Como, depois de avaliar as respostas dos colegas, ainda tenho de me auto-avaliar, cresço ainda mais, porque posso olhar para o que fiz em perspectiva, e me julgar com as mesmas lentes que os estou julgando (tanto quanto possível, estou tentando seguir esta linha).

Este processo todo está me fazendo ler e escrever mais, além de ser mais criteriosa com minhas respostas. Penso, releio, reviso. Eventualmente mais de duas vezes, porque como o curso é em inglês ainda tenho a insegurança da língua mordendo meus calcanhares, me fazendo passar checagem por erros ortográficos e frases sem sentido.

Como uma parte interessante da tarefa de escrever um projeto de TCC está justamente em ser capaz de sintetizar ideias, argumentar, escrever;  ler um bocado; revisar; e, ao longo do projeto e no fim dele, avaliar crítica e objetivamente resultados (com isso, quero dizer, ser imparcial nesta avaliação), penso que está sendo um aprendizado muito útil para a jornada que estou empreendendo, para além do ponto direto de ser um tema que quero abordar na solução que for apresentar, em si.

(As avaliações – e os posts no blog – me fazem ver, também, o quanto sou prolixa na hora de escrever. Boa parte dos trabalhos que leio conseguem ser muito mais sucintos e objetivos do que eu. Preciso melhorar muito neste ponto.)