36 dias: ainda tentando (re)entender o problema

Por que fazer o que precisa ser feito é tão difícil? >.<‘

—————————————————————————

Me sinto ingênua quando encaro meu tema como melhorar a usabilidade de engenhos de busca. Mesmo que sejam de propósito específico. Se não consigo fechar bem o escopo, sinto que estou querendo “competir” com equipes de engenheiros e designers especializados em usabilidade, de empresas como a Google, em um TCC feito em menos de um semestre, por uma pessoa. Dito assim, soa ridículo e absurdo. Isto posto, como posso abordar a questão sem que pareça que sou: a) boba ou b) presunçosa?

Conversei um pouco sobre isso com Bruno e dois pontos importantes surgiram (essas conversas são tensas e beiram à discussão, na maior parte das vezes, mas quando sobrevivemos os frutos costumam ser positivos):

  • é importante, dentro do contexto de um trabalho acadêmico, que o problema abordado seja generalizável, no sentido que, de algum modo, é preciso que o trabalho gere um conhecimento que pode ser aplicável por outra pessoa. Isto reforça o ponto de que eu preciso de algum modo entender o que há de genérico ou mais universal no problema que visualizamos na usabilidade do fazDelivery, se quiser que isto seja de fato meu TCC;
  • seguindo esta linha de pensando, e baseados um pouco no feeling que descrevi aí em baixo, sobre o fazDelivery ser um buscador diferente do Google, Bruno sugeriu descrevê-lo ou caracterizá-lo e, portanto, ao projeto que será feito, nos termos de um buscador para uma base de dados estruturados – em oposição a um buscador web. Creio que desenvolver este pensamento pode levar a um problema de pesquisa – ou a uma caracterização do que quero fazer – melhor. E provavelmente vai me ajudar na sequência do trabalho, também, claro.

Além desses pontos, que explorarei amanhã para reencontrar meu rumo, lendo a introdução de Merčun entendi melhor como posso deixar mais claro em minha própria introdução o que é o problema (quando o encontrar!). Ok, espero que estes pequenos passos realmente sirvam para eu sair dessa baixa em que entrei nestes últimos dias.

—————————— More thoughts ———————————————

A sugestão de João para abordar a questão de refinar o problema foi: pensar quais os resultados esperados deste projeto? A partir daí, pode ficar mais fácil entender o que estou tentando resolver. Deste ponto de vista, ocorre-me:

Existem diretrizes para construção de interfaces de busca (como Hearst e Wilson falam, e Merčun também, creio). O que disso se encontra em português? Uma compilação de tais diretrizes poderia ser um subproduto do projeto, desde que bem feita. Mas, dada a natureza do curso de Sistemas de Informação, creio que só poderia ser um fruto secundário, não a meta principal do trabalho.

Se eu procurar por diretrizes para construção de coleções de informação? Sistemas bibliográficos (alvo de Merčun) são considerados coleções de informação? Caso sim, como posso relacionar isto com o trabalho? Preciso:

  1. entender o que é uma coleção de informação;
  2. entender melhor o conceito de buscador web (desconfio que seja, realmente um engenho de busca que enderece toda a web, de modo amplo, ou que no mínimo não tenha um formato específico de formato de resultado);
  3. entender o que é um sistema bibliográfico;
  4. talvez mais importante que os três acima: existem diretrizes para construção de buscadores sobre bases de dados estruturadas? Posso caracterizar o fazDelivery desse modo? Como fazê-lo?

Isto porque, como comentei mais ali em cima, algo está coçando em minha cabeça me dizendo que o fazDelivery é diferente do Google, e talvez mesmo do Yummly, visto que ele contém páginas próprias que visam conter a informação buscada pelos usuários.

Pesquisando sobre coleções de informação, encontrei um blog, que tem uma série de posts sobre mecanismos de busca, nos quais Derek Sisson tenta entender e descrever melhor o que são mecanismos e processos de busca: http://philosophe.com/search_topics/

Pode não ser um documento canônico ou adequado para figurar como uma referência para o TCC, mas está me ajudando a refletir, então, neste estágio do projeto, em que estou tendo que voltar a pensar em qual o problema que pretendo resolver e aonde quero chegar, estou o considerando útil. Destaques que me trazem algum tipo de insight, retirados do post sobre Tipos de Coleções de Informação:

“a collection of web pages is just another type of document collection”

“scope of the catalogue

Whereas any web search engine will only have indexed a portion of existing web pages, any product catalogue is by definition a complete listing of every product in the particular system.”

53 dias: getting lost…

Outra apresentação do Max Wilson: Extended Searching Sessions and Evaluating Success

Foco dos tipos de comunidades:

  • Precisão
    • os resultados encontrados são relevantes?
    • quantos deles são relevantes?
    • conseguimos todos os que são relevantes?
  • Qualidade
    • conseguiram o resultado certo?
    • quanto tempo levaram?
    • quantas iterações foram necessárias?
  • Sucesso
    • fizeram um bom trabalho?
    • como a Interface de Usuário afetou a tarefa?
    • a tarefa de alto nível motivacional foi alcançada com mais sucesso?

Work-tasks: information intensive activities that lead to search: planning holidays, buying a car

Artigo possivelmente interessante: Investigating behavioral variability in web search. (White, Ryen W., and Steven M. Drucker.) Baixei para averiguar.

Wilson cita estudos feitos com cerca de 20 sessões por participante, com 7 participantes. Sua meta é 12 pessoas, e cerca de 200 sessões. Não sei se consigo fazer isso.

Cartões de tarefas com algumas informações:

  • Número da sessão
  • Nome da sessão
  • Número do Histórico
  • Propósito da Busca
  • Encontrou o que buscava com sucesso? (sim ou não)

Preciso entender direito qual o propósito deste estudo, e com quem foi conduzido. A meta eram os usuários finais, ou demonstrar para estudantes como conduzir estudos? Esse é um dos problemas de estudar por slides… >.< Falando nisso, sei que não é a melhor abordagem, mas me sinto mais confortável em pegar tais apresentações, como introduções a tópicos…

Um dos achados deles é que os conceitos do que é uma sessão rápida ou longa varia muito (por exemplo, de 30 segundos a 30 minutos, ou de mais de 5 minutos a mais de 1 hora).

Um aspecto interessante desse estudo é entender quanto tempo as pessoas estão dispostas a gastar com cada tipo de busca. E, a partir da importância que dão para cada tipo, entender que ferramentas são mais úteis ou seu limiar de frustração. Por outro lado, definir o que é uma busca de sucesso é mais fácil, aparentemente, para buscas mais específicas como no caso do fazDelivery…

Outro artigo que parece útil: Understanding Casual-leisure Information Behavior. E ainda: A Comparison of Techniques for Measuring Sensemaking and Learning within Participant-Generated Summaries. Baixei também…

Continuo me sentindo perdida em relação ao que estou fazendo em termos de estudo. O que eu deveria fazer? >.<‘

55 dias: ainda expandindo…

Em busca de um lugar para baixar o livro Search User Interface Design, do Max Wilson, encontrei slides de uma palestra dada por ele na University of Glasgow, para o grupo de Recuperação da Informação, em jullho de 2012, com esta temática:

O material tem detalhes bem interessantes, como taxonomia do design de uma interface de busca, com exemplos; detalhes de estudos feitos para avaliar melhores formas de interações e outras informações do gênero. Faz-me pensar que o livro pode valer a pena.

Taxonomia do Design para Interfaces de Usuário para Buscas:

  • Input features
    • search box
    • query-by-example
    • cluster / categories
    • taxonomies
    • facets
    • social annotations
  • Control features
    • query suggestions
    • corrections
    • sorting
    • filters
    • groupings
  • Informational features
    • Snippets
    • Usable info
    • Thumbnails
    • Previews
    • Relevance info
    • 2D & 3D visualization
    • Guiding numbers
    • Zero-click answers
    • Sign posting
    • Pagination
    • Social info
  • Personalisable features
    • Current-search
    • Persistent
    • Socialised

Ainda preciso terminar de olhá-lo. E de passar pra cá o que considero que pode ser interessante.

59 dias: prefácio – search user interfaces

/* Entreguei o anteprojeto! Bonitinho, assinadinho. Até colorido foi. */

Citações que merecem destaque – talvez possa usá-las na monografia:

“Today, search is fully integrated into operating systems and is viewed as an essential part of most information systems.”

“This is a fast-changing field, and any attempt to summarize the state-of-the-art will no doubt soon be proven obsolete. Nonetheless, certain principles and techniques seem to hold steady over the years, and there is much that is now known about search interfaces that should stand for at least the near future.”

Related books: (…) Designing Web Navigation, Optimizing the User Experience, by Kalback and Gufstafson, O’Reilly Media, 2007, which discusses navigation design for web sites.

Ela fala que, à época da escrita do livro, não havia livros focados especificamente na interface de usuário dos sistemas de busca. Nesse sentido, talvez seja bom se eu conseguir ler o Search User Interface Design, do Max L. Wilson, de 2011, para complementar a pesquisa para o projeto.

Falando em leitura, a partir da apresentação dos capítulos que ela faz, parece-me que terei de ler, no mínimo, os capítulos 1 – 6, 8 e 10. O 1 e o 5 já li, mas não fiz um bom fichamento, então é melhor reler.

Edit: ~8 páginas lidas. Faltam 70 para chegar à meta diária.